Vou fechar a tasca

É um divórcio esperado, depois da instalação deste silêncio bizantino. O meu coração baterá sempre em sincronia com os pais, as mães e os meninos que vivem nesta ilha, justo ao largo do continente normalidade, neste pedaço de terra quase completamente inexplorado e desprovido de regras aplicáveis a mais de duas pessoas em simultâneo.

À medida que o Gui foi crescendo, fui dando conta da enorme investigação, ainda desenvolvida no modo de atirador furtivo, disparando contra tudo quanto mexa, do incrível crescimento exponencial de diagnósticos de autismo um pouco por todo o mundo, do surgimento e desaparecimento de terapias, teorias, diagnósticos e prognósticos. Estou cansado e, como a vida não permite que se corte o meio do novelo para voltar a unir as pontas, isto é um ponto final.

Obrigado. Estiveram cá em tantos e tão maus momentos, como os verdadeiros amigos. Gostava de vos conhecer a cara e de vos abraçar, um a um, e de vos dizer esperança e aceitação. Desta distância crepuscular a minha voz não ressoa senão no abismo. Quero-vos amor.

Publicado em autismo. 9 Comments »