video killed the radio star

.

A minha mãe sempre foi muito céptica relativamente aos procedimentos que decidimos instituir na vida do Gui, fossem tratamentos, dietas, estimulação ou puzzles. Como qualquer mãe de três filhos e triplamente avó, sempre achou que sabia mais e melhor, porque o diabo não é mais esperto, vive é mais tempo. Quando me apanhava desprevenido e o Guilherme a ela, atafulhando-se de pão enquanto à avó estava de volta de um tacho qualquer e, virando-se, o apanhava a ele com pelo menos meio quilo de pão saloio em cada bochecha, que fazia a minha progenitora, instruída há sete séculos para proibir terminantemente a ingestão de gluten, ainda que não concordasse com a decisão nem lhe conseguíssemos explicar claramente, o que é o gluten? Metia-lhe mais duzentos e cinquenta gramas de pão em cada bochecha e barrava tudo com manteiga, para se certificar que aquilo lhe passava bem pela epiglote. O “menino precisa de comer de tudo”, sentenciava, acaso eu a apanhasse em flagra num investida gastronómica proibida. Afinal, ela sabia mais e melhor que nós, já tinha criado três filhos e pelo menos um neto e já tinha bisnetos no currículo. Eu passava algum tempo a tentar explicar-lhe a mecânica orgânica da coisa: que os autistas não desintoxicam convenientemente, dizia-lhe, que por isso é que optamos por comida biológica, tão livre de toxinas quanto possível, que existe uma teoria que suporta que as causas do autismo serão metade genéticas, metade ambientais, sendo que se pode evitar a expressão máxima genética se se tiver cuidado, tão cedo quanto seja possível, com a quantidade de neurotoxinas que o miúdo absorve, e dizia-lhe também que o gluten, assim como a caseína, do leite, eram proteínas que nos autistas podiam ser mal “partidas” nos seus correspondentes aminoácidos, originando péptidos opíodes que diminuíam a capacidade da criança em concentrar-se e prestar atenção, tornando-a mesmo inexpressiva.

A toda esta lenga-lenga ela resistiu e dava-lhe mais prazer transformar o Gui num esquilo que aforrasse para o Inverno do que qualquer outra coisa. As teorias, para ela, resumiam-se a uma: o miúdo tem de comer de tudo. Mesmo que os diabéticos e celíacos fosse apenas dois exemplos de uma muito vasta comunidade de gente que “não pode comer de tudo”. Quando lhe dizia que tinha um colega com colite ulcerosa, que pode comer muita coisa mas não de tudo, respondia “isso já é grande, não lhe falta já nada”.

Recentemente passou um programa qualquer na televisão sobre autismo e suponho que tenha sido com a Cristina Sales. Telefonou-me, combalida: “nunca mais lhe dou pão às escondidas, prometo-te, podes deixá-lo comigo à confiança, eu agora percebi”. Teve uma epifania com o deus do vídeo e toda a dieta, suplementos e teorias que suportam as intervenções fizeram sentido? Não. A verdade é que as pessoas não respondem à razão, respondem à autoridade. E a autoridade dos media suplanta largamente a de um pai preocupado que esteja informado acerca daquilo que está a fazer. E contra autoridade, não há argumento. Só espero que não tenha que mudar alguma coisa que vá contra o que a Sales tenha dito.

Publicado em blog, saúde. 2 Comments »

2 Respostas to “video killed the radio star”

  1. Rainbow Mum Says:

    Pai, basta ser uma “Dra” a dizer para assumir logo outra proporção. Apesar de continuar a achar que os “Drs” não percebem nada de autismo e confio cada vez menos no que dizem. E acredite que por vezes a intuição dos avós vale mais do que qualquer indicação de um médico. Pelo menos no caso do meu, quando este este ano esteve 15 dias com a avózinha em Agosto veio de lá completamente diferente e evoluiu mais em 15 dias que num ano de terapias🙂 Mais falador, bem disposto, sem birras (isto na altura em que tivemos quase quase a medicá-lo com Risperdal por indicação do Dr. Pedro Caldeira). A avó seguiu a sua receita e funcionou🙂 Passeios na praia, mimos e mais mimos, deixá-lo à vontade e fazer o que queria, comidinha que ele adorava e olhe, só sei que veio de lá transformado e tiramos da cabeça a ideia de lhe dar o Risperdal. Por isso nunca subestime a intuição de uma avó.Quanto às dietas Gluten/Caseine Free acho que se pode experimentar. Mas se não virmos qualquer tipo de evolução talvez não seja o caminho a seguir… Mais vale dar-lhes o prazer de comer o pãozinho preparado pela avó com aquela marmelada caseira🙂 Talvez isso estimule mais a produção de endorfinas e sensação de bem estar que possa aí sim ter um efeito no seu humor. Acredito que até possa haver crianças em que as dietas funcionem mas não acredito que todos os casos de autismo tenham a mesma origem e tenham por base os mesmo problemas. O meu por exemplo nunca teve problemas gastrointestinais, é super saudável, come de tudo…Experimentei, não funcionou e não insisti mais.

    Beijinhos

  2. M. Says:

    Bem, as avós têm esse problema… São avós. É mais fácil entender isto numa língua estrangeira: grandmother / grandmère
    Daí o seu poder de nos fazer sentir uns imbecis no que toca à educação dos nossos piolhos porque elas já nos educaram a nós e a mais quinhentos miúdos do bairro.
    A minha adorada sogra também epifanias desse género com os programas mui coltorales (é erro de propósito) que povoam os canais nacionais de manhã à noite. E esses têm mais crédito e autoridade e peso do que qualquer atestado médico que eu lhes chape na cara… Agora junte a isto uma avó hipocondríaca a quem só falta dizer que também tem comportamentos e sinais de autismo (espero que não descubra o ESSENCE, senão estou lixada)
    Devo ter sido uma má rês na vida passada😛

    beijocas


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: